Células humanas são capazes de regenerar tecidos do coração animal infartado

Células cardíacas provenientes das células troncos possibilitaram a recuperação de corações dos macacos de sofreram infarto. O artigo que dá detalhes sobre os estudos foi divulgado pela conceituada revista “Nature” e foi realizado por cientistas da Universidade de Washington. Com os avanços, há possibilidades de que o procedimento possa ser realizado em humanos.

A recuperação do coração ocorreu por meio de células de fibras musculares cardíacas produzidas a partir de células-troncos embrionárias humanas. Inicialmente, havia dúvidas em relação à produção de células com a finalidade de recuperação para órgãos cardíacos com tamanhos semelhantes aos de pessoas.

Dessa forma, o teste foi realizado em macacos que sofreram infarto induzido pelos cientistas. Duas semanas após o infarto proposital, os pesquisadores injetaram no coração de cada macaco as células que derivam das células-troncos. Consequentemente, as células que foram inseridas nos animais apresentação uma total adaptação com as outras que exerciam a função de batimento.

Os dados apontam para uma recuperação de quase metade do tecido que foi perdido em função do infarto. Além disso, alguns dos macacos também apresentaram maior capacidade de bombeamento sanguíneo. O novo tecido cardíaco, que foi criado pelas células humanas, possibilitou a criação de vasos sanguíneos.

Os responsáveis pelas pesquisas acreditam que novos tecidos poderão ser criados naqueles que sofrerem de infarto, por conta dessas células. Agora o objetivo é reduzir o risco de arritmias, também observadas nos primatas, demonstrando também que as células-troncos podem auxiliar na capacidade de bombeamento de sangue. Não há previsão de quando serão realizadas tais pesquisas em humanos.