A arte como tratamento do Mal de Parkinson

O Mal de Parkinson caracteriza-se pela lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio, alterações na fala e escrita, irritabilidade, dificuldade de concentração, lapsos de memória e tremores. Embora não tenha cura, existem diversos tratamentos que auxiliam o parkinsoniano a superar os sintomas e ter melhor qualidade de vida.

Além de exercícios comuns de fisioterapia, a arte pode ser uma forma de exercitar tanto os músculos quanto a mente. Utilizadas anteriormente apenas como terapia ocupacional, algumas formas artísticas se mostraram eficientes no tratamento do Mal de Parkinson, entre elas:

• Pintura: Além de ser uma forma de expressão, a pintura é um ótimo exercício mental. Auxilia no relaxamento do parkinsoniano, na coordenação, atenção e na imaginação.

• Dança: É recomendada a prática, pois ajuda a manter o equilíbrio e mobilidade, além de ser um exercício cognitivo. A busca por acertar os passos de dança estimulam a memória e a atenção.

• Cantar: A rigidez muscular afeta também os músculos da face e podem comprometer a fala. O canto auxilia na manutenção da articulação vocal e na respiração.

A chamada arteterapia é muito utilizada como tratamento complementar de várias doenças, mas não deve ser a única opção. No caso do Mal de Parkinson, medicação, fisioterapia e até cirurgia, em alguns casos, são necessários.

Central da Fisioterapia realiza atendimento em diversos casos de doença de Parkinson. Solicite atendimento ou se precisar de mais informações sobre Fisioterapia ou sobre a Central da Fisioterapia, entre em contato conosco. Agende uma pré-avaliação via telefone. Será um prazer atendê-lo!